Dicas de como organizar o guarda-roupa e se vestir bem!

19

Ontem estava passando pelos meus blogs fashionistas favoritos e vi dicas no blog M de Mulher de como organizar seu guarda-roupa e compor com itens e roupas que não podem faltar que achei extremamente úteis!

Então, meninas, a resposta para a tão sonhada pergunta: como se vestir bem gastando pouco, o segredo é organizar seu guarda-roupa! Aprenda como organizar seu armário deixando à mão as peças-chave, sejam elas clássicas ou tipo fast fashion. Você vai ganhar tempo, dinheiro e muito mais estilo.

Muitas vezes ouço amigas dizerem que não tem roupa, mas muitas vezes o problema é justamente você ter roupas demais!

Você compra, compra, compra… Mas, sempre que rola uma ocasião especial, fica com a mesma sensação: não tem o que vestir! Antes de mais nada, acredite: seu armário não está desfalcado. Você não tem o que usar justamente porque… tem roupa demais! Aproximadamente 22 peças que nunca usou. Você precisa é saber o que comprar, e organizar seu armário. A expert em moda Hilux Del Priore, garante: “Brasileira tem mania de excesso: é muita peça, sapato, acessório. Precisa aprender a organizar, desapegar e criar um guarda-roupa inteligente: só com peças-chave”, diz.

Pratique o desapego

Invista em uma playlist inspiradora, abra as portas do armário e mãos à obra. Tire todas as suas roupas, experimente cada item. Seja prática, não emocional. Na dúvida, faça estas três perguntas:

> A peça reflete a imagem de mulher que quero passar?
> Combina com pelo menos outros três itens do meu armário?
> Fica bem no meu corpo de hoje?

Peças que não servem mais, danificadas ou que não são usadas há mais de dois anos devem ir para doação sem direito a sofrimento. Na dúvida se joga fora um item com medo de que ele volte a ser moda, tenha em mente: mesmo que uma tendência retorne, ela vem atualizada, tanto nas cores quanto nas formas, do mesmo jeito que seu corpo daqui a alguns anos e suas vontades também. Ok, aquele vestido incrível que foi da sua mãe a gente deixa você guardar… Mas só ele!

Reorganize o armário!

O pior já passou e agora vem a parte mais legal: dar adeus aos dias em que abria a porta do armário e as roupas desmoronavam. Comece separando peças de trabalho das informais. Depois agrupe- as por estações: as de verão de um lado, as de inverno de outro. Só com esse ajuste você já vai conseguir se arrumar mais rápido nos dias em que acordar atrasada para a reunião com o chefe.

Se o seu problema é espaço, use sacos embalados a vácuo para guardar itens mais volumosos – ninguém merece ficar olhando para aquele casacão sob o calor de 40 graus. Na hora de comprar cabides, prefira os mais finos para as roupas leves e os de madeira para roupas pesadas. “Cabide não pode ocupar espaço. E o ideal é que sejam todos da mesma cor, porque dá uma sensação de organização e uniformidade. E, se o guarda-roupa for compartilhado com o marido, use cabides de cores diferentes para você e para ele”, diz a personal organizer Adriana Saade, de São Paulo.

Segundo as especialistas, seu guarda-roupa deve ser assim:

 

// 10% fast fashion – Saia mullet, sneakers, peças neon… São modas com prazo de validade curto. Compre – a preços acessíveis – e use até cansar. Depois doe.
// 40% acessórios – Tiram as peças básicas da mesmice: lenços, brincos, pulseiras, colares, sapatilhas divertidas, bolsas e muitos cintos!
// 50% peças clássicas – Vale gastar um pouco mais nos itens curinga: camisa branca, calça preta e reta, um blazer preto, jaqueta jeans, uma saia-lápis reta de cor neutra, dois vestidos de malha ou algodão, calças jeans e, claro, o pretinho básico.

Pode jogar fora!

Bateu aquela dúvida do que deve ser doado? Comece por estes itens:

// Aquela blusa de lã que é mais velha que a sua avó. O cheiro de naftalina só piora.
// Ombreiras – só ficam boas na Lady Gaga (e em cima do palco, nunca fora dele!)
// Calças jeans cheias de pedras e brilhos no bumbum. Deixe para as funkeiras!
// Botas brancas. Os fashionistas podem curtir, mas logo a Xuxa pede de volta!
// Calças baggy – a sensualidade zero da peça não favorece o corpo de ninguém.

Dicas para comprar bem e barato

Barganhar não significa optar pelo que é vagabundo! O segredo é conseguir o máximo dentro do seu orçamento.

Saiba esperar!

Ter paciência é mesmo uma grande virtude. Muitas vezes, caímos de amor por uma peça em uma loja de departamentos. O preço na etiqueta, no entanto, ainda não é aquele que você gostaria de pagar. Como agir? Para quem tiver a calma dos monges, aguardar pode ser um grande negócio. Afinal, quase sempre, a peça acaba saindo por menos da metade do valor inicial. E, pode apostar, nem sempre a liquida acontece na troca de coleção. Então, o período de espera pode ser uma questão de duas, três semanas.

Detalhes tão pequenos

Na busca por bons achados, é fundamental ter um cuidado permanente: observar o acabamento. Costuras tortas, estampas que não se encaixam (principalmente na junção das mangas) e forros que repuxam (em saias e vestidos) são alguns dos sinais de que a peça, por mais bonita que seja (e com precinho amigo), não vale a compra.

Cartela precisa

É claro que as mais diversas prints-hit têm sua graça – como resistir, por exemplo, a um top xadrez ou a um suéter listrado P&B? Mas, sempre que possível, procure por peças monocromáticas. Principalmente quando se trata das redes de fast-fashion. Por dois motivos: 1) Você evita o indesejado momento par de vasos, que fica mais do que inegável com peças estampadas e 2) Tons neutros (preto, branco, cinza, bege) e fechados (vinho, verde-escuro, azul-marinho) têm vida muito mais longa no closet.

Informações valiosas!

Sabe aquele momento em que você está pagando sua compra e a vendedora estende a ficha de cadastro de clientes – que nem sempre estamos com tempo e vontade de preencher? Pois bem. Mude seu conceito e passe a deixar pelo menos nome e e-mail nas famosas linhas pontilhadas. Entrar no mailing garante que você seja avisada não só de liquidações mas também de possíveis bazares especiais, além de endereços de outlets das grifes que dispõem de um.

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta