Em 4 anos, Pontes de Amor encaminha quase 200 adoções

65

pontes-de-amorCriada em 2012, a Pontes de Amor completa neste mês quatro anos de atendimento ao público, em parceria com a Rede de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente. Neste período, participou do grupo de trabalho que construiu a minuta para o projeto de lei que instituiu o Programa de Acolhimento Familiar em Uberlândia. E, em ação conjunta com o Ministério Público e Vara da Infância e Juventude, encaminhou para convivência familiar (novas famílias ou as biológicas) cerca de 85% (177) dos 209 acolhidos institucionalmente. Deste total, hoje, 32 estão em acolhimento institucional e familiar. Houve aumento de mais de 100% do número de adoções.

Nestes quatro anos de atuação, a Pontes de Amor fez mais de 1.550 orientações e acompanhamentos jurídicos especializados em processos de adoção, que atenderam pessoas de todo o país e até do exterior. Por meio do Curso para Postulantes à Adoção, preparou mais de 700 pessoas para adoção e muitas delas já estão com seus filhos em casa.

Segundo a presidente e fundadora da Pontes,  Sara Vargas, também foram realizadas mais de 1.700 sessões de terapia individual ou familiar. Sempre no intuito de promover a construção e o fortalecimento dos vínculos familiares e o desenvolvimento integral da criança e do adolescente acolhido. “Estes atendimentos são realizados por psicólogos e terapeutas que estudam a realidade das crianças e dos adolescentes vítimas de traumas, abusos, negligência e violência, assim como as especificidades do acolhimento e da adoção”, explica Sara Vargas.

 

 

Encontros zeram devoluções de crianças

Desde outubro de 2012, a Pontes também realizou 48 encontros mensais, reflexivos, que já receberam cerca de 2.300 pessoas. E teve 30 encontros do Grupo de Apoio à Adoção Tardia, que já acompanhou mais de 35 famílias que adotaram crianças com mais de 3 anos de idade.

“Este grupo tem sido um marco na vida de muitas famílias e promove mudanças radicais na qualidade dos relacionamentos familiares e no desenvolvimento da criança, reduzindo a 0% o número de devoluções por parte das famílias que dele participa”, afirma Sara Vargas. “Por estas e outras ações, pelo compromisso e pela dedicação da equipe e voluntários que formam a Pontes de Amor, ela se tornou referência nacional e internacional”, completa.

 

Organização não tem fins lucrativos

A Pontes de Amor é uma Organização da Sociedade Civil (OSC), sem fins lucrativos, filiada à Associação Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD). Atua em Uberlândia e no Triângulo Mineiro em sintonia com a Vara da Infância e da Juventude, Órgãos e Conselhos de Direito da Criança e do Adolescente.

Idealizada pelo casal Sara Vargas e Rodrigo Rangel, a OSC surgiu diante da preocupação com a garantia dos direitos de crianças e adolescentes institucionalizados e dos altos índices de devolução de crianças por famílias adotivas no país. Também para tentar ajudar a evitar crises familiares no pós-adoção, motivadas, muitas vezes, por falta de apoio, acompanhamento psicológico e psicopedagógico.

Seus integrantes têm viajado pelo Brasil, Estados Unidos e Tailândia para compartilhar algumas das práticas de apoio à adoção que desenvolve e colaborar com a formação profissional de outros especialistas e cuidadores.

“Juntos somos uma grande família que luta, trabalha, estuda e se empenha para que toda criança viva em uma família que nutre, cuida e ama. Juntos somos Pontes de Amor. Temos gratidão a Deus que nos deu esta visão, desejo e missão, que agregou tantas pessoas para viabilizá-la”, afirma Sara Vargas. “E gratidão às crianças, adolescentes e famílias que abrem sua vida e coração para juntos construirmos novas realidades”, destaca a fundadora e presidente da Pontes.

 

Adoção no Brasil

 

– Em acolhimento institucional

46 mil crianças e adolescentes

 

– Aptas para adoção

7 mil crianças e adolescentes

 

– Pessoas interessadas em adotar

Mais de 37 mil

 

Fonte: Dados do Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

você pode gostar também Mais do autor

Comentários estão fechados.