Férias escolares requer atenção dobrada com crianças para evitar acidentes 

32
Children having fun at playground

Segundo dados do site Criança Seguro, cerca de 4 mil crianças, de 0 a 14 anos, perderam a vida em 2016. Deste total, 183 foram por motivos de quedas e fraturas.

 

Com o término das aulas, dá-se início ao período de férias. As crianças, que antes gastavam toda a energia em atividades diárias na escola e em cursinhos extracurriculares, agora estão com dia livre, sem atividades programadas. O que fazer? Gastar a energia com muitas brincadeiras, andar de bicicleta, de skate, patins, jogar bola, correr e brincar muito. E é aí que mora o perigo, porque controlar as brincadeiras nem sempre é possível, muito menos evitar alguns tombos e quedas que podem até causar consequências graves. Segundo o ortopedista pediátrico do Hospital Orthomed Center, Celso Eduardo Ribeiro G. Santos, toda atenção é pouca quando se tem criança. “Com tanta energia, as crianças usam de tudo para brincar. Dentro de casa, por exemplo, qualquer objeto pode se transformar num parque de diversão. Uma gaveta aberta que se transforma em escada, cadeiras que são usadas como trampolim. Fora de casa, nos parquinhos ou em playgrounds, as crianças criam um mundo de obstáculos para andar de bicicleta, de skate ou de patins. E é nesse momento que um simples tombo pode trazer graves sequelas”, diz o médico, que ainda ressalta que as quedas podem causar de pequenos ferimentos à morte.

Dados do Ministério da Saúde apontam que quedas de crianças com idades entre zero e nove anos, representam a principal causa de atendimento nas unidades de urgência do Sistema Único de Saúde – SUS e que nove em cada dez acidentes envolvendo crianças acontecem em casa. Com números tão elevados, a queda é considerada a terceira maior causa de morte infantil no país. Ainda de acordo com o Ministério da Saúde os acidentes no período das férias, representam a principal causa de morte de crianças de um a 14 anos. No total, mais de cinco mil crianças morrem e aproximadamente de 137 mil crianças são hospitalizadas anualmente. Segundo dados do site Criança Seguro, cerca de 4 mil crianças, de 0 a 14 anos, perderam a vida em 2016. Deste total, 183 foi por motivos de quedas e fraturas.

Em meio a números assustadores, o ortopedista Celso Santos afirma que estudos apontam que pelo menos 90% das lesões ocorridas por quedas podem ser evitadas com atitudes de prevenção e cuidado redobrado. “Todos os pais sabem que não se deve deixar nenhuma criança sozinha e quando o assunto é férias, é aí que não devem desviar a atenção. Não há estatísticas em hospitais particulares, mas dentro de nosso hospital, sabemos que há um aumento de 30% do número de crianças atendidas no pronto-atendimento somente nas férias. Mais da metade dos atendimentos são feitos a crianças que sofreram quedas. Números mostram que cerca de 50% dos casos observados são relacionados a acidentes que poderiam ter sido evitados”, argumenta o ortopedista pediátrico. 

Todo cuidado é pouco

O médico explica que cair faz parte do desenvolvimento da criança, dos primeiros passos às corridas de bicicleta. Mesmo assim, algumas medidas de prevenção são importantes para evitar acidentes mais graves.

Em casa

  • Escadas, sacadas e lajes, não são lugares para brincar. Mantenha a criança em lugares seguros;
  • Use portões de segurança no topo e na base das escadas. Caso a escada seja aberta, instale redes ao longo dela; instale barreiras nas cozinhas (pequenos portões). Estatísticas comprovam que o cômodo mais frequentemente relacionado aos acidentes é a cozinha.
  • Coloque dispositivos protetores nos armários (fechos plásticos) que demandam habilidade manual para retirá-los. As gavetas localizadas abaixo de 1 metro e que contém utensílios cortantes (facas, raladores, tesouras) devem ser priorizadas.
  • Coloque protetores plásticos em quinas de móveis, acondicione chaves/chaveiros em lugares mais altos.
  • Crianças com menos de seis anos não devem dormir em beliches. Se não tiver escolha, coloque grades de proteção nas laterais;
  • Mantenha camas, armários e outros móveis longe das janelas, pois podem facilitar que crianças os escalem e se debrucem para fora do prédio ou casa. Além disso, verifique se os móveis e o tanque da lavanderia estão estáveis e fixos; 

Em parquinhos ou playgrounds

  • Ao andar de bicicleta, skate ou patins, o capacete é o equipamento fundamental. Ele pode reduzir o risco de lesões na cabeça em até 85%;
  • Atente-se caso a criança esteja abusando de obstáculos e da velocidade ao andar de bicicleta ou skate
  • Ao levar as crianças para brincar no parquinho não se distraia. Observe se os brinquedos estão em boas condições e se são adequados à idade da criança. O risco de lesão é quatro vezes maior se a criança cair de um brinquedo com altura superior a 1,5 m.
  • Crianças não devem brincar perto de barreiras e barrancos.

 

O ortopedista ainda ressalta. “A ida ao médico nas circunstâncias após a queda é essencial para o tratamento adequado. Após o evento (acidente doméstico), procure não escutar opiniões de terceiros (“puxar o braço para voltar no lugar”, “colocar vinagre e sal”). Os pais estão autorizados a dar analgésicos (dipirona, paracetamol) na dose habitual para a idade logo após a queda. Procure imobilizar o membro afetado com proteções de papelão e ataduras (se houver) e leve a criança ao serviço médico imediatamente”, finaliza Celso Santos.

 

 

 

 

You might also like More from author

Comments are closed.