Live do Fundinho Festival: maratona de sete horas de Jazz e Blues

111

Transmissão ao vivo acontece dia 30 de agosto, a partir das 18h, nos canais do Youtube e Facebook oficiais do festival. 

Som alto astral no ritmo do Jazz e Blues, grade diversificada com artistas reconhecidos nacionalmente e até internacionalmente, pontualidade e boa fruição são algumas das características do já tradicional Fundinho Festival que no próximo dia 30 de agosto, a partir das 18h, comemora os 132 anos de Uberlândia com muita música de qualidade. Para que a celebração seja segura, o evento será transmitido ao vivo pelos canais oficiais do evento no  Youtube e Facebook.  

Neste ano, o Fundinho Festival estimulou formações inéditas, apresentações inovadoras com convidados especiais e inusitados, incluindo até a volta de uma banda de blues da cidade. “Somos um evento reconhecido por primar pela qualidade das atrações e da estrutura, cuidados que serão mantidos para este novo formato, que contará com equipe de áudio, streaming, filmagem e direção de cena, tudo para oferecer uma boa experiência para o público. A live está imperdível!”, ressalta Marcelo Mamede, coordenador do evento. 

De acordo com o diretor de programação do evento, Marco Túlio Morais, o Festival está muito diversificado. “Devido às circunstâncias, essa edição do Fundinho Festival será transmitida pela Internet, na qual destaca-se a valorização e apoio dos músicos de Uberlândia e região. A curadoria pensou muito em como valorizar os nossos músicos e ao mesmo tempo aumentar a atratividade da live, sendo que os artistas selecionados compraram a ideia.  O Fundinho Festival incentivou o encontro de quatro grandes músicos para a criação de um show que será estreado no festival. Além disso, outros grupos foram convidados a inovarem seus shows, os quais até incluíram convidados especiais, alguns bem inusitados, por fim, também foi estimulada até a volta de uma banda, a Salamandra Blues, que estava há mais de 10 anos fora dos palcos, mas durante os ensaios para o Festival decidiu retomar as atividades de vez. Com isso, a programação do festival contará com seis grupos, com músicos de Uberlândia, interagindo com artistas de Araxá, Belo Horizonte, Franca, São Paulo e Uberaba, para mais uma vez celebrar o charme do bairro Fundinho e o aniversário de Uberlândia. Tudo isso com a qualidade e pontualidade já conhecida pelo público”, afirma. 

O evento é realizado pela Moinho Cultural e Aproxima Patrocínios e Incentivos, apresentado pela Triconta, com o incentivo do Programa Municipal de Incentivo à Cultura de Uberlândia. 

Conheça mais sobre as atrações do Fundinho Fesitval! Formações inéditas, apresentações inovadoras com convidados especiais e inusitados. 

Salamandra e a participação especial da cantora Amanda Cabral 

Quem abre a programação do festival é o projeto Salamandra Blues Band, que está na estrada há 10 anos. Batizada para homenagear o quinto álbum da banda Blues Etílicos, o grupo construiu sua sonoridade a partir das suas influências do Blues, R&B e Soul anos 70. Para abrilhantar ainda mais o show, a banda traz a participação especial da cantora Amanda Cabral, que já tem uma extensa bagagem em recitais de óperas, cerimoniais e Pubs em Uberlândia. A banda preparou um repertório com versões originais e releituras de clássicos de Buddy Guy, BB. King, Muddy Walters, Tim Maia, Albert Collins, Stevie Ray Vaughan. “Adoramos o convite da organização do Festival e preparamos um show super animado, ressalta a Banda. 

 

SULCO convida Daniela Alvis e Duda In The Sky – versões particulares 

 

A programação segue com show do Sulco, que é um projeto uberlandense de pouco mais de um ano, mas que conta com músicos expressivos no cenário musical da cidade.  Além do vocalista Fred Oliveira, a banda terá a participação de duas cantoras: Daniela Alvis e Duda In The Sky. Daniela é cantora, professora e empreendedora artística. Durante o show, ela promete levar um repertório de extremo bom gosto de cantoras do Jazz.  Também abrilhantará o espetáculo, Duda In The Sky, cantora e compositora, que chegou a mais de 500 mil streams no Spotify e playlists oficiais da plataforma com seu EP “Sentido”, lançado em 2019. Duda traz o frescor ao repertório com a intensidade da nova geração.  

O Sulco conta que no set list, pensado para o festival, levará para o palco  versões de clássicos da world music e de músicas atuais, carregadas de influências que vão das raízes da Black Music como: Blues, Jazz, Soul, com pitadas de Funk Music, até chegar à sonoridade das novas. “Nosso show vai ser cantante, vamos fazer versões muito particulares de clássicos da world music e também de algumas recentes. Tudo que fazemos tem que soar divertido pra nós e para o público. Assim como fazemos ao vivo no estúdio, o show terá um clima leve, porém, intenso”, disse o baixista do Sulco, Diogo Machado. 

 

The Blue Black Bottles – ousadia e inovação  

O grupo, que foi formado especialmente para o Fundinho Festival, possui músicos de Araxá, Franca e Uberlândia e uma formação atípica. A The Blue Black Bottles combina o consolidado trio Guitarra-Baixo-Bateria com a sonoridade do Cello e a estampa de “Brazilian Way of Intrumental Music Making”. Formada por experientes músicos, poliglotas em estilo, separados, já conquistaram o mundo e juntos prestigiam um repertório brasileiro com “modernosas” obras, incluindo autorais.  

De acordo com Tiago Martins, guitarrista da The Blue Black Bottles, a proposta é fina e ousada para o cenário musical. “Faremos um show empolgante e único, com samba, bossa, funk, baião temperado com Jazz e apimentado com ousadia”, disse. Completam a banda, Eduardo Machado, um dos maiores baixistas brasileiros, que tem 7 CDs lançados e já se apresentou em diversos países da Europa, Ásia, Américas do Sul e Norte, o baterista Cajuzinho, que já se apresentou com grandes cantores, compositores e instrumentistas e o quarto integrante, o violoncelista Kayami Satomi, professor na Universidade Federal de Uberlândia, fundador e idealizador do Udi Cello Ensemble e do Cello Jazz Quartet. 

 

Pedro Ferreira Group – do Jazz ao Fusion 

Na sequência, Pedro Ferreira Group, o músico, produtor, compositor, acompanhado pelo companheiro de estrada Edson Jr. e pelos músicos Paulo Castro na bateria, Tim Fernandes no Sax, Netinho no trompete e o uberabense Eduardo Coelho no baixo vão apresentar suas composições transitando na influência do Jazz, Samba, Pop e Música Latina. Pedro já foi indicado duas vezes como produtor musical e arranjador no Latim Grammy 2003 com “Estrela Guia”, melhor CD Pop – Álbum do Ano e 2017 “DNA Musical”, melhor Álbum de MPB com o cantor Alexandre Pires, o qual o acompanha há mais de 15 anos. Tem dois CDs autorais e já gravou com ícones da música brasileira como Seu Jorge, Gilberto Gil, Caetano, Fábio Jr, Martinho da Vila, Jorge Benjor, Djavan, Milton Nascimento, Só Pra Contrariar, Daniel, entre outros. 

Pedro conta que é a primeira vez que vai se apresentar no Fundinho Festival. “Já havia recebido o convite, mas devido a agenda não consegui fazer o show aqui na cidade. O público pode esperar um show pra cima, com levadas de Pop, Funk, Jazz e música brasileira, que são gêneros musicais nos quais sempre transitei, além de apresentar sete composições próprias e duas delas em parceria com o guitarrista Édson Jr., composições do CD Balaio, lançado em 2004, e “Duo instrumental 2011, com Édson Jr”, disse.  

Pedro ainda revela que fará uma homenagem ao grande arranjador Lincoln Olivetti. “Ele me influencia até hoje e tive a honra de conhecer e trabalhar em duas produções que fiz. Estamos muito ansiosos e felizes de tocar aqui na cidade e tenho certeza que o público ficará orgulhoso da qualidade musical e sonora que será apresentada com solos vibrantes e virtuosos”, acrescenta Pedro. 

 

Jack Will convida Júlia Ribas e Pedro Melo (Surubim) – muito improviso e swing 

A quinta apresentação será com o grande baterista e percussionista uberlandense, Jack Will, que vai celebrar 16 anos de sua trajetória musical dividindo o palco com Júlia Ribas e Pelo Melo (Surubim), que virão de Belo Horizonte especialmente para o Festival. A aptidão para a música ultrapassou fronteiras, pois Jack já se apresentou dentro e fora do país. Na Europa, esteve em Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra, Alemanha, Áustria e Suíça. De julho de 2019 até julho de 2020 morou em Belo Horizonte, onde trabalhou com diversos artistas da cena do Jazz, Choro, Samba, Pop e outros. Em Uberlândia foi curador dos projetos Jazz de Preto, Jazz no Frango Frites,Pedrada Instrumental e dos festivais Tenda Sonora – Mineridade, Fundinho Festival – Jazz & Blues 1,2,3 e 4. Já a cantora, compositora e educadora, Júlia Ribas, primogênita do Marku Ribas (1947-2013), um dos multi-artistas mais importantes da cultura nacional, acumula em sua carreira reconhecimento nacional e internacional, com turnês na Alemanha e Áustria, viagens a África e Haiti. Seu trabalho atual foi o lançamento do EP De Volta Pra Casa nas plataformas digitais. O violonista Pedro Melo, o Surubim de Bigode, é um barranqueiro nascido na cidade de Pirapora, situada às margens do rio São Francisco. Conviveu, durante toda sua infância e juventude com a potência da cultura norte mineira, sendo atraído pela musicalidade barranqueira. Versátil, do popular ao jazz, divide sua carreira musical entre composições individuais, o trabalho com a cantora Júlia Ribas.” Os internautas podem esperar toda a força e a energia do swing afro mineiro indígena. Vamos celebrar o mestre Marku Ribas com o canto, o lamento, o batuque, poesias e muita improvisação”, comenta Jack Will. 

  

Black Jack 21 convida André Carlini e André Youssef – alma do Blues 

O último grupo da noite a se apresentar será a Black Jack 21, que se destaca pela linguagem Blues, Rock’n’roll 50’s & 60’s, Folk e Jazz. Uma banda uberlandense que transmite a verdadeira alma do Blues. Para a edição 2020 do Fundinho Festival, a Black Jack 21 convidou André Carlini, um gaitista com ritmo único e André Youssef, pianista e cantor paulistano e líder de André Youssef Trio, para uma grande apresentação que promete tornar-se épica para a cena do Blues local e regional. Um dos vocalistas, Maurício Winckler, que também é guitarrista, disse que os dois Andres são grandes músicos de São Paulo. “André Carlini é um dos melhores gaitistas de blues do Brasil e André Youssef que tem uma vasta experiência, faz parte da banda do Kiko Zambianchi, já tocou com Nasi (Ira!) e com os melhores nomes do blues. Será um show de bastante releituras autorais e algumas versões que fazemos de clássicos do rock em arranjo blues. O show está muito bonito e diversificado com repertório que contempla I Know, Folsom Prison Blues, Thrill is gone, One Bourbon One Scotch One Beer, Every day, Every Night, Born under a Bad Sign, entre outras”. 

 

Programação: 

18h – Salamandra Blues Band convida Amanda Cabral (UDI) 

19h – SULCO convida Daniela Alvis e Duda In The Sky (UDI) 

20h – The Blue Black Bottles (Araxá | Franca | UDI) 

21h – Pedro Ferreira Group (Uberaba | UDI) 

22h – Jack Will convida Júlia Ribas e Pedro Melo (BH | UDI) 

23h30 – Black Jack 21 convida André Carlini e André Youssef (SP | UDI) 

 

Data: 30 de agosto 

Horário: 18h às 1h 

Transmissão ao vivo: Youtube e Facebook  

Acesse, inscreva-se e ative as notificações para ficar dentro das novidades! 

youtube.com/FundinhoFestival

You might also like More from author

Comments are closed.