Pimenta Refresco

274

Eu gostaria muito de saber por que as pessoas insistem em se revelarem cada vez mais sórdidas. Nos últimos dias fiquei estarrecida em perceber aonde as pessoas são capazes de chegar. A sequência de acontecimentos culminou com a manifestação explícita de insensibilidade por parte de algumas pessoas que comemoraram a morte de um garoto de sete anos. Valha-me, Deus! Que loucura é essa? Antes disso, vi também gente aplaudindo um pseudo apresentador de televisão que comemorou ao vivo a morte de um suposto bandido por policiais. Quantos absurdos! Será que quem comemora se acha blindado? E acredita de verdade que as coisas ruins, as doenças, as mortes, as prisões, só acontecem em um mundo paralelo e jamais irão lhe atingir?

Bom, isso tudo foi por estes dias, mas a semana passada também explicitou a capacidade do ser humano de ser venenoso e destrutivo, quando um rede de fofocas se espalhou querendo tornar a atriz Marina Ruy Barbosa uma grande vilã e pivô da separação do seu colega de telenovela José Loreto. Uma intriga que prejudicou uma série de relações de amizade e toda a produção de uma novela cara, que envolve centenas de artistas e técnicos. Que momento é esse que estamos vivendo, quando muitos estão com a língua solta e não têm um cérebro inteligente que possam segurá-la dentro da boca?

Nem vou mencionar, guardadas as devidas proporções, como vejo isso acontecer também aqui em Uberlândia. Mentes desmioladas, em troca de migalhas, saem bradando maledicências contra outros ou comemorando os infortúnios de terceiros. Diariamente, presencio pessoas éticas, comprometidas profissionalmente e sem maldade no coração sendo vítimas de pessoas supostamente influentes (no mundinho egocêntrico de aparência em que vivem), que disparam boatos muito prejudiciais, não somente aos alvos destes mas também a um conjunto de pessoas, empresas, etc., nos quais tais boatos podem respingar.

E há também a lei do retorno. Energia ruim que vai nas más línguas, volta com a mesma intensidade para que profere a maledicência. Não atinge quem tem bons pensamentos e práticas na vida e busca viver em um conceito de paz e de verdades. Basta um espelho para tentar enxergar se você pertence ao grupo que destrói ou àquele que busca evoluir.

Segurem a língua, gente, contenham a maldade. Não disseminem fofocas de gente ressentida e nem comemorem os infortúnios alheios. A sua vida não é blindada e você pode ser a próxima vítima. Lembre-se que o seu telhado pode ser de vidro. Além de tudo isso, saiba que a vida é mais leve – e até mesmo divertida – quando existe verdade nos relacionamentos, na profissão e no comportamento. Sejamos mais leves!

You might also like More from author

Comments are closed.